Desenvolva a liderança com essas 6 ferramentas da metodologia ágil

6 minutos para ler

A sobrevivência no mercado atual exige das empresas uma liderança rápida e precisa. Para ajudar nesse processo, a implementação de ferramentas da metodologia ágil trazem o dinamismo necessário para essa gestão, ajudando o líder a fazer um trabalho mais preciso.

Com a ajuda desses recursos, o profissional consegue dar respostas eficazes dentro do tempo correto, e não só crescer individualmente, mas também proporcionar um desenvolvimento exponencial ao negócio.

Quer saber mais sobre essas metodologias? Continue a leitura!

Como as metodologias ágeis auxiliam o processo de gestão?

A metodologia ágil surgiu como resposta à necessidade de atender os clientes de maneira dinâmica, sem abrir mão da qualidade e flexibilidade. Ela busca a divisão dos processos e obrigações em tarefas curtas, o que facilita a gestão do tempo e aumenta a produtividade.

Po meio dessa abordagem, é muito mais fácil acompanhar o desenvolvimento das equipes e corrigir pequenas falhas que surgirem.

Essa metodologia surgiu no desenvolvimento de softwares, mas passou a ser aplicada em diversas áreas da empresa, possibilitando um maior alinhamento com a realidade de mudanças rápidas que existem atualmente. Assim, é possível uma melhor adequação às necessidades do mercado e administração dos diversos talentos que compõem a organização.

Quais são as principais ferramentas da metodologia ágil?

Apresentamos, aqui, os recursos mais utilizados nessa abordagem de gestão, e que vão ajudar a desenvolver uma liderança de qualidade na sua empresa.

1. Kanban

De origem japonesa, o método Kanban consiste, basicamente, em um quadro com três colunas: To do (A fazer), Doing (Fazendo), Done (Feito). Dentro dessas colunas, as tarefas são distribuídas por meio de cartões coloridos, dando uma visão muito clara do andamento do projeto e das pendências.

Esse método é excelente para coordenar o trabalho em equipes e também é motivacional, afinal, ver a realização das pequenas tarefas ajuda a manter o foco. Para projetos mais complexos, o número de colunas pode aumentar.

Encontramos algumas ferramentas digitais com esse mesmo propósito, como o Trello.

2. Scrum

O Scrum é uma das ferramentas mais usadas no mundo todo, e consiste na divisão do trabalho em três frentes: dividir, analisar e adaptar. Nessa abordagem, há a aplicação dos Sprints: períodos de tempo pré-determinados com, no máximo, quatro semanas.

Para cada Sprint, são definidas as atividades que devem ser desenvolvidas dentro da lista principal. Ao final do período, todas as tarefas deverão ser entregues dentro de um padrão de qualidade.

Além disso, nesse framework, há a definição muito clara dos papéis e suas funções, aumentando a visibilidade sobre as responsabilidades de cada um.

3. SMART

Essa metodologia é usada para a definição de metas reais e alcançáveis, que orientem o trabalho e possibilitem que a liderança tenha parâmetros para acompanhar o desenvolvimento. A palavra é um acrônimo de 5 termos em inglês, que trazem os elementos necessários para o estabelecimento dessas metas:

  • S (Specific): a definição de um objetivo específico;
  • M (Measurable): a meta deve ser mensurável;
  • A (Attainable): o objetivo deve ser alcançável;
  • R (Relevant): deve ser relevante, ou seja, provocar impactos que realmente façam a diferença na empresa;
  • T (Time based): é necessário estabelecer uma data limite para que a meta seja alcançada.

4. Design Sprint

Inspirado no Sprint, outra metodologia ágil, esse framework foi lançado pelo Google e propõe a geração de ciclos para a execução das tarefas. Ela se baseia na experiência do usuário e permite que uma ideia seja testada por 40 horas, sem exigir que o produto seja realmente produzido, evitando desperdícios.

O processo utiliza um piloto para a realização desses testes e avaliação, permitindo pequenos ajustes. Ao fim do processo, o produto pode ser finalmente concluído e comercializado (ou abandonado).

O Design Sprint é inspirado no conceito de Design Thinking, e, além de permitir a economia de recursos, abre caminho para que a empresa lance um produto com grandes chances de aceitação pelo mercado.

5. Gestão 3.0

Também conhecido como Management 3.0, esse modelo é formado por seis visões consideradas essenciais para a realização de um projeto. Podemos resumi-las em:

  • energizar as pessoas: valorização das pessoas para que elas tenham motivação e produzam melhor;
  • empoderar times: incentivar a autogestão;
  • alinhar restrições: definir limites e obrigações sem coibir os profissionais;
  • desenvolver competências: contribuir com o desenvolvimento das habilidades individuais para, assim, conseguir um melhor resultado;
  • crescer a estrutura: incentivar o crescimento por meio do ambiente colaborativo e das atividades focadas no alcance das metas;
  • aprimorar: melhorar processos e desempenho deve ser uma preocupação constante do gestor.

Dentro da gestão 3.0, o líder entender que deve criar o ambiente ideal para a realização do trabalho, reconhecendo problemas e buscando maneiras de promover a satisfação profissional entre os colaboradores.

Ela está totalmente alinhada aos conceitos atuais de gestão de pessoas, que pregam a importância do engajamento dos funcionários para o aumento do faturamento e o desenvolvimento sustentável da empresa.

6. DSDM

Também conhecida como metodologia de sistemas dinâmicos, ela visa o desenvolvimento de projetos com a qualidade esperada, mantendo os limites de orçamento e tempo estipulados durante o planejamento.

Ela se divide em três fases:

  • pré-projeto: onde há a identificação dos propósitos, a definição da verba e do prazo de entrega. Também é durante o pré-projeto que o contrato é assinado.
  • ciclo de vida: nessa etapa, são feitos o estudo de viabilidade do projeto, com as implicações e requisitos, e o estudo do negócio, onde o financiamento e as necessidades são avaliados.

Também é durante o ciclo de vida que os protótipos são construídos e revisitados, para que seja alcançada uma versão final, que será implementada.

  • pós-projeto: durante o pós-projeto, são realizadas as manutenções e melhorias, garantindo o melhor produto para o consumidor. Isso permite que a solução seja aprimorada constantemente, mesmo após a compra.

A aplicação das ferramentas da metodologia ágil possibilitam uma gestão mais madura e produtiva, dando uma visão muito mais clara do que precisa ser feito e de como coordenar tantos aspectos e tarefas diferentes. Tal abordagem traz não só uma liderança mais eficiente, como melhora a performance do negócio como um todo.

E você, acredita que esse conteúdo ajudou? Se tem interesse em desenvolver uma liderança mais estratégica, que consiga, realmente, trazer bons resultados, entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar a sua empresa a superar as metas!

Posts relacionados

Deixe um comentário